Manutenção preventiva é ponto chave para aumentar a vida útil da sua motocicleta e evitar stress e despesas desnecessárias. São vários os pontos da manutenção, entre eles os fluídos (óleo de motor, óleo de suspensão, fluído de freio e fluído de arrefecimento).

Neste artigo vamos abordar o óleo do motor, que é responsável por controlar a temperatura do motor, além de ter a função de lubrificar os cilindros, os pistões e, no caso das motos, a caixa de câmbio e a embreagem. Uma boa lubrificação desses itens é essencial para diminuir o atrito entre as peças e evitando, assim, desgaste excessivo.

Atualmente existem diversos tipos de lubrificantes de motor. Podem ser óleos graxos (de origem animal ou vegetal), óleos minerais (derivados do petróleo), óleos sintéticos e semi-sintéticos (produzidos em laboratório). Há uma gama extensa de tipos de óleo, que se diferem pela densidade, viscosidade e aditivos, sendo queos produtos sintéticos mantêm a estabilidade do óleo por mais tempo.

Na hora de escolher, você deve ficar atento ao tipo de uso da sua motocicleta, às especificações do lubrificante e à recomendação do fabricante da moto para manutenção adequada dos componentes. No caso da Triumph, cujas motocicletas vão de 765 cc até 1.200 cc, o óleo indicado pela fábrica é o Castrol 10W50 ou 10W40, totalmente sintético, de classificação API-SH JASO MA2. Estas siglas, encontradas em todos os óleos de motor, representam as entidades internacionais responsáveis pela elaboração de uma série de normas (baseadas em testes específicos) para a classificação dos lubrificantes, de acordo com seu uso.

O óleo lubrificante escolhido pela Triumph, por exemplo, segue as normas da API (American Petroleum Institute). O "SH" é referente ao nível de desempenho do óleo. Quanto mais para frente a segunda letra da sigla estiver na sequência do alfabeto, melhor é seu desempenho. Ou seja, um óleo API-SH é melhor que um API-SG, e assim por diante. A nomenclatura JASO MA2 (Japanese Automobile Standards Organization) classifica a adequação do óleo lubrificante também ao sistema de transmissão da moto.

Já os números, 10W40, por exemplo, correspondem à classificação da SAE (Society of Automotive Engineers), que se baseia na viscosidade dos óleos a 100ºC. A letra "W" significa "Winter" (inverno, em inglês) e ela faz parte do primeiro número, como complemento para identificação. Quanto maior o número, maior a viscosidade, para que o óleo suporte temperaturas mais altas. Graus menores suportam baixas temperaturas sem se solidificar, evitando prejuízo ao fluxo do lubrificante.

 

Dicas e cuidados importantes:

1. Nunca use óleo de carros em motocicletas;

2. O óleo certo (viscosidade) para cada modelo de moto é o recomendado pelo fabricante;

3. Verifique diariamente o nível do óleo da sua moto, que deve ser mantido sempre entre os dois traços do medidor;

4. Na troca de óleo, confira a necessidade de substituir os filtros de óleo e ar da motocicleta;

5. Caso sua moto não rode muito, faça a troca a cada seis meses;

6. Nunca misture tipos de óleos diferentes;

7. Quando se utiliza um lubrificante com nível de desempenho inferior ao recomendado pelo fabricante do veículo, mesmo reduzindo o período de troca, pode haver problemas de formação de borra devido ao envelhecimento (oxidação) precoce do lubrificante ou comprometimento da função de lubrificação do motor pelo óleo;

8. Aditivos ao óleo não melhoram o desempenho do motor.