Chegou a hora de falar tudo sobre a Tiger 900!

A primeira coisa que você precisa saber é que não se trata de uma Tiger 800 com facelift (atualizações estéticas). É uma nova geração, chassis novo, motor novo, tudo novo. O que não muda é a proposta de utilização. Ela continua sendo uma moto muito versátil, que melhorou tudo aquilo que a antecessora já tinha de bom. Além disso, conta com versões com roda dianteira de 19" e 21". 

Outra boa notícia é que ficou mais fácil de explicar as versões. Não temos mais aquele monte de X. XR, XRX, XRT, XCA, XCX... A fábrica facilitou para quem não está acostumado com a marca. Roda aro 19" (GT) e roda aro 21" (Rally). As versões topo de linha, de ambos os modelos, são chamadas de "PRO". Além disso, existe a Tiger 900 "de entrada", sem nenhum nome GT ou Rally.

Outro ponto importante que você deve saber é que o Brasil é o país que mais vende Tiger no mundo e por aqui o modelo mais vendido é a Tiger 800. Então, essa moto com certeza é muito desejada! Além disso, os ingleses levaram isso em consideração e ajustaram a moto baseada em nosso comportamento e clima e uma das boas notícias e que reforçam o que acabei de comentar é que, agora, a Tiger 900 possui dois radiadores, passando menos calor para as pernas do piloto.

Muita gente também já tem perguntado se ela vai substituir a 1200. Não. Continuam sendo propostas muito distintas. Enquanto a 1200 é uma bigtrail touring, feita para você viajar, com a bolha e bancos mais largos, motor 1200cc, eixo cardã, etc, a Tiger 900 continua sendo uma moto mais leve, com uma proposta mais esportiva, mais para o asfalto na versão GT e mais off-road na versão Rally. Contudo, por ser uma moto completamente nova, ela está no ápice em tecnologia e tem itens que até mesmo a 1200 não tem.

Aqui para o blog da TRX vou detalhar a Rally PRO, que foi a que eu testei. Uma grande novidade para quem gosta de andar na terra é que agora o aro 21 não tem câmara. A Rally e a Rally Pro vêm com roda raiada, sem câmara, como temos na Tiger 1200. Isso é uma maravilha para quem gosta de andar na terra porque o reparo é muito fácil. Além disso, o aro é fosco, muito bonito, o que complementa o visual do modelo. 

O sistema de freios também mudou demais. Antes tínhamos dois discos de 305 mm, agora temos dois discos de 320 mm, Brembo, com pinça monobloco e bomba radial, denominado Stylema. O freio da moto é outro patamar, que não encontrávamos em motos adventure até então. É um sistema de freio extremamente eficiente, encontrado muitas vezes em motos esportivas. É possível frear com um dedo.

Nas versões GT PRO e Rally PRO, além do ABS, temos o ABS otimizado para curvas, que só estava disponível na 1200 XCA. O controle de tração também é otimizado para curvas, nessas duas versões, item que nem mesmo a 1200 traz.

A suspensão dianteira não é mais a ótima WP. Agora é uma excelente Showa. Também multi regulável na dianteira e traseira, tanto para a Rally quanto para a Rally PRO. Se antes 220 mm tornavam a moto muito apta a incursões off-road e traziam grande conforto, agora com 240 mm esses dois itens foram ampliados. É uma suspensão incrível, com mais curso, mais preparada para o off-road. Durante o nosso teste pré-lançamento, encaramos até um pista off-road voltada a motos especiais e ela não deu "fim de curso" em nenhum momento. Aqui cabe destacar que a suspensão traseira passou de 215 para 230 mm. Isso trouxe um aumento de 1 cm no banco da Rally, que segue com 2 opções de altura ajustáveis pelo banco.

No caso das versões GT, a suspensão manteve o mesmo curso e são multi reguláveis, sendo eletrônica na traseira da versão "PRO". É a única Tiger 900 com esse recurso que permite ajustar por meio do "imenso" painel de 7" quatro posições de pré-carga e diversas opções de ajuste, partindo do mais confortável até o mais esportivo.  

Falando sobre a frente da moto. Todas as versões da Tiger 900 vêm com DLR, faróis, lanternas e piscas em LED, e as versões PRO ainda têm o farol de neblina em LED. A única que não possui DRL e piscas em LED é a Tiger 900 de entrada. 

A bolha continua regulável, assim como era a Tiger 800. Ela ficou mais estreita de tanque e banco, ganhando uma pegada mais adventure. O tanque agora é de 20 litros. O da 800 era 19 litros. Parece pouco, mas faz muita diferença para a autonomia! Outros detalhes que ajudam para o uso off-road nas versões PRO são o pedal de câmbio retrátil e o pedal de freio, que pode ser ajustado para pilotagem em pé. 

O painel é uma atração à parte! A versão Tiger 900 tem o painel TFT de 5” e as demais vêm com painel de 7”. É possível trocar estilo, cor, modo de pilotagem e muito mais. Ele tem muito mais funções do que o painel da 800 e mesmo o da 1200. Vem ainda com o sistema My Triumph, que permite integração entre o celular e o painel para você conseguir mudar a música, ligar a GoPro, usar navegação e muito mais. É uma nova experiência na forma de pilotar uma moto. Você consegue interagir muito mais com toda essa parte tecnológica, como temos hoje nos carros. É simples e muito prático!

Outra grande novidade é o motor de 888 cm3. Ele tem, de uma forma geral, 10% a mais de torque e, na potência, tem 12% praticamente o tempo todo. O pico máximo, na altíssima rotação, permanece com os 95 cv. Ele parece um bicílindrico na entrega de torque e até pela personalidade, mas segue sendo tricilíndrico e trazendo a linearidade e o desempenho em alta característico dessa configuração. Quer mais um detalhe especial? As versões PRO vem com Triumph Shift Assist ou assistente de troca de marchas. Na prática, o piloto troca de marchas sem o uso de embreagem para cima e para baixo. É muito legal pilotar com essa facilidade!

A Tiger 900 terá 3 opções de cores, mas o primeiro lote (que já está esgotado), chegou somente na cor branca. Quem sabe no próximo já convenço a esposa de trocar a 800...

Clique aqui e assista um vídeo sobre o modelo no Youtube TRX TV.